Para quem tem alguma deficiência física, calçadas irregulares, trânsito e até livros e ondas do mar podem se tornar obstáculos. Mas novos produtos e aparelhos permitem ao portador de deficiência exercer atividades antes impossíveis. Trata-se, também, de um bom negócio. Segundo Ricardo Rosso, organizador da maior feira do gênero no país, esse setor movimenta R$ 1,2 bilhão por ano. “O poder de consumo desse segmento é altíssimo e a tecnologia só evolui”, diz. Para o paulista Alcino Neto, o Pirata, campeão mundial e professor de surfe adaptado (foto), os equipamentos garantem uma vida normal. “O importante é não ficar parado achando que a vida acabou.”

No Brasil, já é possível encontrar mais de 600 produtos para facilitar a vida das pessoas com deficiência, divididos em motores, visuais e auditivos. “Eles funcionam como ferramentas de inclusão e garantem a entrada ou o retorno ao convívio social e ao trabalho”, explica a fisiatra Rosane Chamlian, da Universidade Federal de São Paulo. Os equipamentos mais vendidos ainda são as cadeiras de rodas, próteses para membros amputados e os automóveis com acessórios adaptados, como câmbios e bancos mais fáceis de manusear com o corpo. Em 2007, foram vendidos 20 mil veículos adaptados, até 28% mais baratos que os convencionais devido à isenção de impostos, segundo levantamento da revista especializada Reação. Há também utensílios práticos para a vida doméstica, como colocador de linha na agulha, bola com guizos, relógio com mostrador em braille e até DVD com piadas para surdos.

O mercado está aquecido por conta da legislação que garante os direitos das pessoas com deficiência, como o decreto que obriga empresas com cem ou mais funcionários a ocupar até 5% das vagas com pessoas que tenham esse perfil. Aguarda aprovação no Senado a Convenção Internacional sobre os Direitos da Pessoa com Deficiência das Nações Unidas. Segundo a Organização Mundial de Saúde, há 24 milhões de brasileiros com alguma deficiência. Além de boas intenções, as empresas precisarão se munir de materiais diferentes, como lupas, dicionários, lápis e outros objetos especiais. No ano passado, das 20 mil pessoas deficientes cadastradas no Sistema Nacional de Trabalho e Emprego, do Ministério do Trabalho, 6 mil conseguiram uma colocação e fazem uso desses produtos. “Ainda é muito pouco, mas há 20 anos esse número era bem perto de zero”, diz Izabel Maior, da Secretaria Especial dos Direitos Humanos da Presidência da República. Nesta página, algumas novidades desse mercado.

Pranchas de surfe para tetraplégicos
0  14781899 00 - 0  14781899 00 A da foto possui apoio central para o peito, alças laterais e espaço para acompanhante. O modelo para cegos leva uma borracha com ranhuras para facilitar o apoio. Da Pirata Surf, R$ 2. 500 (tetraplégicos) e R$ 1.200 (cegos)

Chair topper
carro - carro O “bagageiro” automático ergue e guarda a cadeira de rodas do motorista sobre o teto do carro. E libera espaço na parte de trás. Da Cavenagui, R$ 10.800

Cadeira de praia
praia - praia Na água, os pneus tipo balão bóiam; na areia, evitam que as rodas afundem. A estrutura de alumínio resiste à maresia e o náilon tratado não se encharca. Da Ortopedia Monumento, R$ 3.700

Lupa eletrônica
lupa - lupa Uma microcâmera, instalada numa espécie de mouse, lê textos impressos e envia os caracteres aumentados em até 18 vezes para um monitor de alto contraste (branco sobre preto). A bateria dura três horas. Da Terra Eletrônica, R$ 3.600

Fonte: Revista Época

http://nbr9050.wordpress.com

About these ads